"A maior realização revolucionária é libertar o homem de sua alienação" - Ernesto "El Che" Guevara
:: Perdido na Província ::
Aqui é a província, a província é Chapecó!

Seja bem-vindo ao Perdido na Província! Espero que goste de ler, pois texto tem bastante.
:: bloghome :: contato :: Java :: adicionar aos favoritos do IE (Netscape/Firefox? Use Control-D)

Posts do passado:
Seleção de links:

The Dreaming - Neil Gaiman

Ghost in the Shell

Neon Genesis Evangelion

Hellsing

Elfen Lied

Preacher

Transmetropolitan

Participe da campanha Eu Sei Escrever

Malvados

Adriano De Freitas Trindade

Criar seu atalho

Comentários para
este blog:
Clique aqui e
deixe o seu!

:: Domingo, Setembro 04, 2011 ::

Poizé, o Dropbox andou atualizando seus termos de serviço, e um detalhe passou despercebido.

Pra quem não sabe, o Dropbox é um serviço de compartilhamento de arquivos com mais de 12 milhões de usuários. Então, ele cria uma "pasta virtual" no seu micro, e tudo que você jogar naquela pasta, vai estar disponível, pela Internet, em outros lugares onde você acessa o serviço. Por exemplo, você pode ter uma pasta compartilhada entre o seu micro do serviço e seu micro de casa, ou entre seu micro de casa e seu telefone celular (nos telefones suportados pelo serviço), facilitando o compartilhamento de informações. Funciona mesmo que o micro que enviou as informações esteja desligado. Estes arquivos só podem ser acessados por quem possui usuário e senha, mas o serviço disponibiliza uma "pasta pública" que pode ser acessada por qualquer um que tenha o "link". Algo muito prático, eu uso direto. Ótimo para backup.

Bom, vamos ao novo trecho dos termos de serviço:

"Compliance with Laws and Law Enforcement Requests; Protection of Dropbox's Rights. We may disclose to parties outside Dropbox files stored in your Dropbox and information about you that we collect when we have a good faith belief that disclosure is reasonably necessary to (a) comply with a law, regulation or compulsory legal request; (b) protect the safety of any person from death or serious bodily injury; (c) prevent fraud or abuse of Dropbox or its users; or (d) to protect Dropbox’s property rights. If we provide your Dropbox files to a law enforcement agency as set forth above, we will remove Dropbox’s encryption from the files before providing them to law enforcement. However, Dropbox will not be able to decrypt any files that you encrypted prior to storing them on Dropbox."

Diz o seguinte:

"concordância com a Lei e com agências de aplicação da lei (Polícia); Proteção dos direitos da Dropbox. Nós podemos repassar para entidades fora da Dropbox arquivos armazenados no seu Dropbox e informação sobre você que nós coletamos quando nós temos uma crença de boa fé que esse repasse é razoavelmente necessário para (A) atender uma lei, regulamento ou pedido legal compulsório; (b) proteger a segurança de qualquer pessoa contra morte ou sério dano corporal; (c) previnir fraude ou abuso dos usuários da Dropbox ou (d) proteger os direitos de propriedade da Dropbox. Se nós fornecermos seus arquivos armazenados á qualquer uma dessas agências acima citadas, nós iremos remover a criptografia Dropbox usada pelos arquivos antes deles serem entregues. No entanto, Dropbox não é capaz de remover a criptografia de arquivos que foram armazenados antes de terem sido enviados á Dropbox"

Ou seja, eles possuem a "chave-mestra" dos arquivos de todo mundo que usa o serviço, na prática torando acessível ao departamento técnico da empresa qualquer arquivo armazenado por qualquer um de seus usuários. E se a lei pedir, eles estregam. Deixam bem claro que a privacidade dos usuários não é garantida. Logo, se você quiser privacidade, só se você compactar o arquivo com uma senha antes de enviar. E creio na possibilidade dos demais serviços de hospedagem serem assim também. Então, muito cuidado ao enviar material de propriedade intelectual, material pessoal explícito, dados comerciais sigilosos, dados administrativos da empresa e qualquer outro tipo de informação sensível. Como muitas empresas usam este serviço para back-up online, sugiro compactar esse material com uma senha (mais de 10 caracteres,e prefira arquivos RAR á arquivos ZIP) antes de enviar para garantir a segurança das informações.

ADRIANO TRINDADE (15:56) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Sexta-feira, Julho 15, 2011 ::



Lyrics | Absurd - Fluke lyrics

ADRIANO TRINDADE (21:09) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Sábado, Abril 09, 2011 ::

Faz tempo que não posto nenhum texto de minha autoria, então vamos lá.
-------------------------------------------------------

A situação eleitoral brasileira

O otimista sempre acha que tem como dar certo, o realista acha que pode dar certo se houver condições de dar, e o pessimista acha que tudo vai dar errado. Em relação á situação da política no Brasil, apenas uma das três opções, ser otimista, é algo favorável á melhora da situação e mesmo assim, improvável. O quê torna o otimismo improvável? A falta de interesse na hipótese que atende aos anseios do povo. “Interesse pessoal” é o alicerce no qual toda a política Brasileira está instalada. Aqui nada acontece vindo das mãos de um político sem que ele tenha algum tipo de interesse pessoal na jogada, que inevitavelmente acaba levando á troca de favores, ou melhor dizendo, a troca de interesses entre políticos.

E, na hora da “conta” dessa troca de interesses, em raras oportunidades o interesse do cidadão entra na equação. Á menos, é claro, quando esse interesse surgir na forma de uma publicidade exacerbada em torno de um assunto, geralmente polêmico. Quando surge um assunto desses, recebendo os “holofotes da mídia”, muitos políticos se aproveitam dele na forma de um interesse pessoal, que surge do redirecionamento da repercussão positiva destes atos de modo á valorizar a imagem do político. Por exemplo, cada vez que ocorre uma atrocidade violenta envolvendo mortes por arma de fogo, muitos políticos usam isso para ficarem em evidência, apresentando propostas que somem logo após os holofotes se apagarem, esquecidas pelo candidato e pelos eleitores. “Quem não é visto não é lembrado”, já dizia o ditado, então o político tira benefício direto do fato de estar em evidência, quando é ele mesmo que se coloca nesta situação. O oposto também pode ocorrer, do político ser posto em evidência, e quando isso ocorre, dificilmente é por reconhecimento do mérito do político em algo, geralmente é por se envolver em algum escândalo.

É importante que alguns políticos caiam em desgraça e depois se recuperem, pois isso provê ao poder a bipolaridade, como a situação versus oposição, honestos versus corruptos, incentivadores e negadores. Esta bipolaridade é importante para que o cidadão tenha como tomar partido, que tenha escolha, ao mesmo tempo que lida diretamente com o cenário eleitoral: no caso do político estar em evidência devido á um interesse pessoal, isso é positivo para ele e ele usará na campanha. No caso do político ser posto em evidência devido á algum escândalo, isso é positivo para seus opositores, que usarão isso contra o político. São elementos do jogo eleitoral, “munição” para ambos os lados. A campanha política como conhecemos depende diretamente dessa “distribuição de munição” para funcionar, todos os políticos tem que “aparecer” de tempos em tempos, positivamente ou negativamente, para que se mantenha o jogo eleitoral. Se nenhum candidato tivesse nada de negativo que pudesse ser usado contra ele na eleição, este aspecto negativo teria que ser gerado, para as pessoas formarem seu julgamento no que sabem de bom e no que sabem de ruim de cada político.

Essa prática eleitoral, que é excelência em eleger políticos corruptos, possui alguns mecanismos que sustentam a forma que o processo ocorre. O principal deles é a compra de votos. Quando um político compra um voto, ele está assumindo ser corrupto: afinal, precisa comprar o que não tem mérito para obter, que é o voto de confiança do cidadão. Isso deixa evidente para o cidadão qual é a índole do candidato, á quê que ele veio. Se o eleitor vende seu voto para um sujeito desses, ele está compactuando com a corrupção e contribuindo para colocar um corrupto no poder. Este mesmo eleitor é quem depois diz que “no governo só tem corrupto”.

Quando se fala que o Brasileiro tem que “aprender á votar”, este seria o principal aspecto á ser considerado. Nada impede o cidadão de aceitar dinheiro do candidato “A”, dizer que vai votar nele, e na hora da urna digitar o número do candidato “B”. Mas parece que o Brasileiro, povo “esperto”, sonegador de impostos, que sugere, paga e recebe propina, na hora do voto é acometido de um grande “impulso de nobreza”, resolve ser fiel á sua palavra... e vota em quem o pagou, conforme combinado, evidenciando sua tolice. Você pode tentar persuadir uma pessoa á votar em alguém, mas na hora de digitar o número, a pessoa obedece somente á sua própria vontade, não há ninguém olhando por cima do eleitor para ver em quem ele vai votar, e ele vota no corrupto, que sabe que é corrupto e sabe que vai ser só mais um á mamar na teta do governo.

Outro mecanismo forte da campanha eleitoral é a “necessidade popular eleitoreira”. São necessidades populares que intencionalmente nenhum político tem interesse em resolver, mas muito úteis em época de campanha. Por exemplo, se a polícia é ruim, então abre a possibilidade do candidato dizer “eu vou ajeitar a polícia” e usar essa promessa para angariar votos. Se uma cidade possui um problema de trânsito, o candidato diz que vai ajeitar isso e angaria votos. A saúde é um problema? “Tenho propostas e planos para a saúde”. Qual o fator distinto? Sai governo e entra governo e estes problemas são perenes. O político tem mais interesse em manter o problema para ter o que prometer, faz alguma coisinha pelo problema mas ele persiste, á despeito da evidente necessidade popular pela solução do problema.

Então, basicamente, o processo eleitoral se apóia em compra de votos, escândalos políticos, obras eleitoreiras, marketing eleitoral, problemas sociais á resolver e patrocínios, muitos patrocínios, que geralmente possuem interesses á serem atendidos, interesses esses sempre divulgados de forma velada á parte interessada. Todas essas variáveis, aplicadas na fórmula eleitoral, resultam no candidato que se elege.

E a avaliação da capacidade administrativa do político, seu histórico, sua integridade? Simplesmente não entram na fórmula eleitoral. O eleitor ignora completamente essa análise, todas as variáveis da fórmula acima citados provêm do horário eleitoral. A propaganda gratuita é com freqüência a única referência que o eleitor tem para analisar os candidatos, nem todos tem acesso á Internet ou se interessam nesta investigação. Sem falar nos partidários políticos, que votam no partido, sem analisar a pessoa que estão colocando no poder. Isso acaba fazendo com que se venda uma imagem do político que fecha com o marketing apontado pelas pesquisas, não com a verdadeira face do político. Notem a eleição Serra versus Dilma: é inegável a mudança na imagem dos candidatos após finada a eleição, aquela máscara da campanha foi jogada no lixo sem a menor cerimônia: após todos os debates eleitorais e promessas terem gerado os votos devidos, geralmente tudo isso é esquecido. E o eleitor aceita isso de boa! Daqui á pouco o candidato tenta se reeleger, todo mundo já viu ele trocando de cara na eleição passada, e mesmo assim votam no mesmo político! O povo sofre uma “distorção visual coletiva” durante a campanha, eles botam os “óculos do horário eleitoral” e definem o futuro do Brasil.

Por isso que, conforme citei no início do texto, uma visão otimista do processo político bastante desfavorável. De maneira análoga ao político, o Brasileiro não se importa com o futuro do país, e sim com o seu emprego. Não se importa com a situação geral do seu país, do seu município e do seu estado, e se isso será bom para o cidadão ao seu lado. Da mesma forma, para ele mudar sua posição política, de acordo com a infalível “lei do Gérson”, ele tem que estar ganhando algo, então ele não muda. Nem sequer para aprender á votar. Afinal, se o político só faz o que faz por interesse, o político antes de mais nada também é um Brasileiro, e no poder só age da mesma maneira que age pessoalmente: se estiver ganhando algo. A corrupção no governo é a cristalização da mentalidade popular dominante de levar vantagem.

Se você possui uma empresa, você analisa muito bem quem contratar, quem você vai deixar no comando da empresa enquanto sai de férias... e abre mão de opinar sobre o futuro do Brasil no qual sua empresa está encaixada, bastando apenas se informar de quem está votando. Não há aqui uma eleição por mês, para que o eleitor não tenha como saber em quem está votando, ele tem tempo de sobra para pesquisar. E mesmo assim vota em quem deu gasolina, em quem deu um troco na campanha, quem pagou uma cesta básica... Gratidão á corrupção.

Se em uma campanha os candidatos percebessem que pagaram um monte “molhando a mão das pessoas” e fizeram uma votação mais baixa que o estimado, eles vão ver que pagar ao eleitor não adianta: eles estão somente dando dinheiro, e não estão comprando ninguém. Nosso voto tem que ter valor, e o valor do nosso voto tem que ser nosso critério, não uns trocados que geram uma alegria momentânea mas acabam logo. Esta é uma mudança sem pré-requisitos, sem desculpas, pode entrar em ação nas próximas eleições. Sem uma mudança básica como essa, não estaremos rumando para um processo eleitoral sério. Como eu disse, é improvável de ocorrer sem tal filosofia se transformar em um ganho para o eleitor para cativar seu interesse, mas não é impossível. Improvável, mas não impossível.

Toda jornada começa com um primeiro passo, e esse primeiro passo seria a compra de votos acabar. Sem isso, não tenho nada de concreto para pensar que o eleitor Brasileiro tem salvação no sentido de aprender á votar direito. Esta seria a única solução? Não. Mas definitivamente, seria um bom começo.

ADRIANO TRINDADE (19:57) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Sexta-feira, Abril 01, 2011 ::

Mais um Mark Ryden, depois de um bom tempo: "Incarnation(#100)"

ADRIANO TRINDADE (22:14) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Quinta-feira, Setembro 30, 2010 ::

TEMOS QUE FAZER FILHOS PARA FAZERMOS FRENTE AO ISLÃ!!

Você sabe o que é a taxa de fertilidade de um povo?

Simplificando, é um dado demográfico que mostra a média de filhos por casal, ou mais precisamente, por mãe. Serve para indicar se a população nativa de um país está aumentando ou diminuindo.

Tome por exemplo um casal. Se eles tiverem um só filho, quando o casal falecer, deixará somente um descendente. Faleceram duas pessoas e deixaram uma, a população reduziu (taxa 1,0). Se um casal tiver dois filhos, faleceram duas pessoas e deixaram duas pessoas. Não houve modificação na população nativa (taxa 2,0). Se um casal falece e deixa três filhos, aí houve um aumento na população nativa, pois dois faleceram e deixaram três descendentes (taxa 3,0).

Muito bem. Somente a população nativa de um país carrega os aspectos culturais do país do qual nasceu. Se uma pessoa emigra, ela leva para outro país a sua cultura. Se uma pessoa imigra, ela traz consigo a cultura de seu país de origem. O número total da população de um país pode se manter estável através da emigração em casos de uma taxa de fertilidade superior á dois ou devido á imigração caso a taxa seja inferior á dois.

Para que a cultura nativa de um país se mantenha, a taxa de fertilidade daquele país tem que ser superior á 2,11, que indica uma manutenção e expansão daquela cultura. Com taxas menores, a população nativa se reduz, dando espaço á imigrantes e, com isso, a sua cultura original se retrai. Muitas culturas foram extintas com uma taxa de 1,9, dando lugar á culturas estrangeiras. E uma taxa de 1,3 é quase impossível de reverter, pois levaria de 80 a 100 anos para recuperar o crescimento.

Qual é uma tendência que se observa aqui no Brasil? Tem mais gente que sai daqui do país para trabalhar fora e levar a cultura daqui, do que estrangeiros que vem para cá residir, importando sua cultura. Nos EUA e na Europa é o contrário, tem mais gente que vai para lá de diversas partes do mundo, do que estadounidenses e europeus que emigram para outras partes do mundo.

A taxa de fertilidade atual dos Estados Unidos é de 2,05. Da Alemanha é 1,41. Da França é 1,98. Da Rússia, 1,41. Reino Unido, 1,66. Itália, 1,31. Espanha, 1,31. São culturas que se apresentam em declínio, e possuem a tendência de serem substituídas totalmente por culturas imigrantes em aproximadamente um século.

Já o Brasil,a taxa de fertilidade é de 2,21. No Afeganistão, 6,53. Arábia Saudita, 3,53. Paquistão, 3,6. Síria, 3,12. Líbia, 3,08. Kuwait, 2,76. A tendência é que estes povos continuem se expandindo e migrando para outros países, substituindo a cultura nativa dos países para os quais eles emigram, lenta e gradativamente.

A maioria dos países de religião Muçulmana, se forem agrupados e for feita uma média, trará a conclusão que a cultura Muçulmana é a cultura que mais se expande no planeta.Nos EUA, em 1970, havia 100.000 muçulmanos. Em 2009, já havia 9 milhões de muçulmanos. Na Rússia, um em cada 5 habitantes já é muçulmano. Em poucos anos, 40% do exército da Rússia será muçulmano. Na França, a taxa de fertilidade das famílias nativas Francesas existentes é de 1,8, enquanto das famílias Muçulmanas que lá habitam, é de 8,1. No sul da França, agora já há mais mesquitas que igrejas. Em Paris, 45% dos que tem menos de 20 anos são de famílias muçulmanas. Em 2027, um e cada 5 franceses será muçulmano. Em 2025, aproximadamente um terço dos nascidos na Europa será de família muçulmana.

O fato é, nós rumamos para um planeta no qual a cultura Muçulmana e a religião Islâmica serão predominantes. Daqui á 100 anos, pouco restará da cultura original da Europa, que será substituída pela cultura Islâmica. A queda da população alemã não pode mais ser detida, a Alemanha será um estado muçulmano em 2050. Aqui a gente ainda não corre o risco de perdermos nossa cultura.

Mohammad Al Kadafi declarou: “Há sinais de que Alá garantirá a vitória ao Islã na Europa sem espadas, sem armas, sem conquistas. Não precisamos de terroristas ou de bombas homicidas. Os mais de 50 milhões de Muçulmanos transformarão a Europa em um continente muçulmano em poucas décadas”. E pelo jeito o cara tem razão.

Pesquisem, sintam-se livres para conferir estes dados. O mundo está mudando, e com a mudança de sua população, muitas políticas mundiais mudarão também. As implicações disso? Fica difícil de fazer profecias, mas quem pesquisar tendências mundiais, como a política dos Estados Unidos de se achar no direito de “regular o mundo”, com sua “guerra contra o terror”, pregando a perseguição aos Muçulmanos, pode prever que as coisas vão mudar drasticamente em alguns anos, pois a tendência será o povo apoiar e votar em políticos de precedência Muçulmana, e o governo de lá vai mudar.

Fontes:
Index Mundi (Aqui tem as taxas de fertilidade por país)
O Globo
Plano Brasil
Jornal da Ciência
E muito mais no Google.

ADRIANO TRINDADE (14:29) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Quinta-feira, Agosto 05, 2010 ::

Ewige Wiederkunft

"E se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse: "Esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes: e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indivisivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e sequência - e do mesmo modo esta aranha e este luar entre as árvores, e do mesmo modo este instante e eu próprio. A eterna ampulheta da existência será sempre virada outra vez - e tu com ela, poeirinha da poeira!". Não te lançarias ao chão e rangerias os dentes e amaldiçoarias o demônio que te falasses assim? Ou viveste alguma vez um instante descomunal, em que lhe responderías: "Tu és um deus e nunca ouvi nada mais divino!" Se esse pensamento adquirisse poder sobre ti, assim como tu és, ele te transformaria e talvez te triturasse: a pergunta diante de tudo e de cada coisa: "Quero isto ainda uma vez e inúmeras vezes?" pesaria como o mais pesado dos pesos sobre o teu agir! Ou, então, como terias de ficar de bem contigo e mesmo com a vida, para não desejar nada mais do que essa última, eterna confirmação e chancela?"
- Nietzsche

ADRIANO TRINDADE (18:04) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Terça-feira, Junho 22, 2010 ::

Não existe amor
(Não de verdade, não o bastante)
Vivemos sem socorro,
Morremos abandonados.

O apelo à piedade
Ressoa no vazio,
Nossos corpos estão estropiados
Mas nossas carnes estão ávidas.

Mortas as promessas
De um corpo adolescente,
Entramos na velhice
Onde somente nos espera

A memória vã
Dos nossos dias mortos,
Um sobressalto de ódio
E o desespero nu.


- Michel Houellebecq

ADRIANO TRINDADE (23:07) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Sábado, Outubro 24, 2009 ::

OK, qual o regime de governo atual? Capitalismo, socialismo ou comunismo?

A história prova que não existe um regime ideal. Todos possuem falhas sérias. Mas o principal, e mais usado no mundo, ainda é o capitalismo. Certo, certo. OK, então, vamos mudar o ponto de vista e esculhambar o capitalismo, hohohoho.

Tá certo. Vamos dizer que o capitalismo em si não é um mal. Onde está o furo, então? Nas pessoas. Aí que vem um grande mérito do socialismo.

As pessoas não são nobres. Nem boazinhas. Nem se importam com o bem-estar do seu semelhante, e isso é verdade em todas as camadas da sociedade. Deixadas á própria sorte, cada pessoa vai querer crescer e acumular bens e riquezas até dominar o mundo. Como não é possível que duas pessoas dominem o mundo, uma hora vai TER que dar briga, inevitavelmente. Isso começa ao se acumular capital.

O capitalismo, então, chamemos de "capitalismo desenfreado", pois ele não se importa com essa tendência, nem faz nada para impedi-la. Por motivos óbvios, essa tendência jamais vai ser boa para maioria, e um país composto por pessoas "desenfreadas", ou melhor, guiadas pela "lei do Gérson", jamais será grande. Esta é a nossa situação atual, em todos os níveis da sociedade. Menos observada nos níveis mais baixos, pois não possuem acesso ao capital que instiga essa forma de pensar.

Uma bola de neve,é o acúmulo de capital. Uma vez que começa, não pára mais até destruir tudo, até a pessoa querer dominar o mundo. O poder corrompe, e quanto mais poder a pessoa obtém, mais quer. ESSE é o ponto. ISSO é que não pode ser permitido. Uma solução seria o capitalismo ter limites. Pessoas jurídicas á parte, para as pessoas físicas seria simples de limitar. Ninguém precisa ter um iate de 5 milhões de reais para viver.

Proposta:
- Um saldo máximo. A soma de todas as contas de um indivíduo não pode passar de um teto pré-definido. Digamos, 100 mil reais. Nenhuma pessoa no Brasil vai poder ter mais que isso somado em todos os bancos nos quais tem conta. É livre para transferir como quiser, mas se quiser depoisitar mais que isso, o excesso cai na conta do Governo.
- Um único imóvel em seu nome. No máximo dois temporariamente, para permitir uma eventual mudança de um imóvel para outro.
- Um único veículo. No máximo dois, para permitir que a pessoa troque de veículo.
- E outros limites de acordo, caso necessário.
- Estes limites não isentariam nenhum cidadão brasileiro, do catador de lixo ao Presidente, passando por TODOS os políticos, principalmente.

Em cima disso, junte o Estado fornecendo saúde pública e uma segurança de qualidade. Pronto, tá resolvido! Com os limites acima, quem é que não consegue levar uma vida digna? Quem é que morre por causa destes limites? A grande maioria da população Brasileira nem chega perto desses limites aí! Com estes limites, a tendência seria nivelar a população, todos embaixo de um mesmo teto. Acabaria por nivelar "por cima". A casa que uma pessoa não pode comprar á mais, sobra para quem não tem uma casa. O carro á mais que uma pessoa não pode comprar, torna-se o carro de quem está querendo comprar. Evita a inundação de veículos nas ruas, que não tem previsão de diminuir, pois a produção das fábricas teria que ser menor. As fábricas de carros despejam veículos para cima da população, que se acaba em dívidas comprando carros, incentivados pela mídia, para garantir o lucro das grandes montadoras. A TV teria que parar de incentivar o consumismo desenfreado como ela faz hoje, e teria que se ocupar com atividades mais educativas. Claro que isso é o que a gente espera, se seria isso que aconteceria, não sei.

Toda a mídia diz: "compre, compre, compre! consuma, consuma, consuma! Isso é bom para você? Não sei, acho que não... mas... compre, compre, compre! consuma, consuma, consuma!"

Claro que com empresas o papo é diferente, pois elas precisam crescer. Para empresas, esses limites teriam que variar em função do tamanho da empresa, e sofrerem reavaliações periódicas, sendo redefinidos de tempos em tempos. Logicamente, patrimônio da empresa não pode ser usado para adquirir bens particulares, exceto para revenda.

Se não houverem limites, vão haver pessoas morrendo de fome por causa das pessoas que querem mais e mais sem limites. Hoje está cheio de celibridades e endinheirados exibindo ao mundo quanto possuem, e inevitavelmente se achando melhor que os outros. O fato é que ninguém é melhor que ninguém, todos somos um amontoado de células do mesmo jeito, todos somos seres humanos.

Sem limites, em escala global, países exploram outros países, e um único milionário pode ter um iate de dezenas de milhões e jatinhos particulares, enquanto na Etiópia pessoas morrem de fome. E aí? Como vai ser no final do capitalismo desenfreado? Um iate para cada pessoa do planeta? Um jatinho para cada pessoa do planeta? Não tem como dar certo, limites PRECISAM existir. Limites que possibilitem a dignidade humana, que permitam á qualquer um viver bem dentro do capitalismo, com conforto, e evitem a exploração de humanos por humanos.

Como poderíamos chamar este sistema de governo? "Capitalismo socialista"? É, eu acho que seria uma boa, taí!

Utópico? Totalmente! Quando que as pessoas, egoístas como são, em uma sociedade que diz que quem tem mais é melhor que o outro, vão aceitar isso? Como uma pessoa que ganha um salário de 100 mil reais vai abrir mão de ganhar isso, e ainda se livrar do excesso de $$$ que tem na conta, abrindo mão da luxúria á qual está acostumado? Fora de cogitação. Mas a maioria da população, que está abaixo desse teto, por quê não o aceitaria? Não faria a menor diferença para estas pessoas, só os ricos é que seriam afetados, e como são justamente eles o problema, que ótimo! O ego das pessoas é um entrave fortíssimo, o egoísmo das pessoas que possuem alguma coisinha é algo por demais.

Para as empresas, não mudariam nada, porque, como eu disse, o limite para as empresas teria que ser avialidao caso á caso, para permitir seu crescimento.

Claro que esse sistema também não é perfeito, as pessoas tentariam acumular riquezas através das empresas que possuem. Daí dispositivos teriam que ser criados para as pessoas não poderem se apropriarem dos bens de suas empresas para uso próprio, em benefício próprio, a separação entre empresas e indivíduos teria que ser muito clara e definida.

Sooonha, Brasil. Agora deixa eu voltar ao trabalho. Comentem, quem quiser. Fui!

ADRIANO TRINDADE (11:31) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Segunda-feira, Outubro 05, 2009 ::

Não. Não. Desta vez, não tenho a mínima idéia.
"私は日本の愛"

ADRIANO TRINDADE (09:18) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Quarta-feira, Setembro 23, 2009 ::

Artificial Paradise, Inc.

ARTIFICIAL PARADISE,INC. from Jp Frenay on Vimeo.


ADRIANO TRINDADE (23:28) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Sábado, Setembro 19, 2009 ::

Você conhece o Human calendar?


ADRIANO TRINDADE (18:56) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)

:: Terça-feira, Setembro 08, 2009 ::

Mais Malvados para vocês...











ADRIANO TRINDADE (23:24) [+]
Comentários à respeito: (Clique AQUI, leia e participe!)


Angeli


FastCounter by bCentral
Se você não visualizar um menu à esquerda, então precisa
habilitar/instalar o Java no seu computador.

Eficiência, desempenho e estabilidade: Mozilla Firefox.

Meu ICQ (# 16877524) neste momento está

This page is powered by Blogger. Isn't yours?República Federativa do Brasil Ame e respeite sua pátria, ela não tem culpa dos filhos que tem.
- Autor desconhecido